14 outubro 2016

23+: Bateristas


Há um bom tempo atras fizemos a lista dos 23+ Baixistas, nela mostramos os baixistas mais influentes, claro que na nossa visão. Agora vamos falar dos 23 bateristas mais influentes do rock. Lembrando que essa lista não é definitiva e nela não tentamos dizer qual é o melhor e sim o que mais influenciou e que essa é apenas a opinião do blog e caso tenha uma lista diferente, basta comentar ela aí e se acha que alguém foi injustiçado, comente também.
Então sem maiores delongas, simbora:


23º lugar: Aquiles Priester (Hangar/ Tritone/ Paul Di'Anno/ Angra/ Freakeys/ Tony MacAlpine/ Noturnall/ Midas Fate/ Primal Fear)

O baterista naturalizado brasileiro, sim Aquiles não é nascido no Brasil, ele nasceu na verdade na Africa Do Sul mas é um dos orgulhos nacionais quando o assunto é metal. Aquiles é mais conhecido pelo seu trabalho junto ao Angra, responsável por dois dos melhores álbuns da banda, Rebirth e o todo poderoso Temple Of Shadows. Chegou a ganhar vários prêmios como melhor baterista do ano por votação popular e é conhecido por sua velocidade. pedaleira dupla chega a esfumaçar;

22º lugar: John Domayan (System Of A Down/ Axis of Justice/ Serj Tankian/ Scars On Broadway)

Entre os bateristas de renome mais atuais, Domayan é um dos que possui mais tecnica, trazendo um Q de blues para seu modo de tocar, com um modo meio descompassado que da uma identidade ao seu modo de tocar. Dentre os bateristas das bandas mais atuais, ou nem tanto já que o System Of A Down já tem mais ou menos 20 anos de carreira, foi um dos poucos a receber prémios da critica pelo seu trabalho;

21º lugar: Nick Mason (Pink Floyd)

Nick Mason é o unico membro do Pink Floyd que tocou em todos álbuns da banda, só por isso ele já merece participar dessa lista mas além disso podemos citar aqui que o Pink Floyd influenciou uma caralhada de bandas;

20º lugar: Amilcar Cristofaro (Torture Squad)

Vindo de uma familia de bateristas, Almicar é destro mas procura tocar de forma ambidestra, levando muita tecnica a sua bateria. Geralmente em metal extremo os bateristas se dividem em velocidade ou tecnica, encontrar um baterista que passeia por esses dois quesitos e leva isso as suas composições é algo bem dificil, encontrar alguém que se compare a Almícar, é ainda mais dificil. Se não conhece, tente ouvir qualquer musica de um dos meus álbuns de cabeceira, Pandemonium do Torture Squad, sério, pode escolher qualquer musica que vai entender o que estou tentando explicar aqui;

19º lugar: Joey Jordison/1 (Slipknot)

Você pode não gostar de Slipknot, você pode achar a banda poser (e qualquer baboseira que falam para se sentir true) mas você não pode dizer que Joey Jordison não é um bom baterista. O cara é dono de boas composições e é um musico muito capas, tão capas que foi chamado para tocar em bandas de renome e de bateria mais complexa como Metallica, Satiricon, Rob Zombie e outros. Além do mais, o cara conseguiu ser consagrado pela critica entre os maiores bateristas de todos os tempos e também das ultimas décadas. Infelizmente por conta de uma doença o musico teve que dar um tempo em sua carreira, saindo até do Slipknot;

18º lugar: Phil Collins (Genesis)

Phil Collins além de ter tido uma enorme carreira solo e ter feito parte do Genesis na época de maior sucesso da banda, onde teve que assumir os vocais também, Collins é detentor de uma carreira de estudios de fazer qualquer curriculo brilhar no escuro, tocou junto de bandas como Led Zeppelin, para todos Beatles em carreira solo, para Eric Clapton e fez participações em musicas de várias bandas e até mesmo de músicos pops. Para fazer tudo isso, só um excelente musico pode ser capas e o que ele tocou no Genesis, mostra o tamanho da capacidade do cara;

17º lugar: Max Kolesne (Krisiun)

Ao lado de seus irmãos, Max faz uns dos sons mais brutais e rápidos já pensados no metal, um death metal tão visceral que virou sub gênero do gênero, batizado de Brutal Death Metal. O Krisiun é uma das bandas pioneiras desse estilo e Max é o baterista mais conhecido dentro dele pois ali velocidade extrema a uma grande carga de técnica. Quando falo de velocidade, é algo brutal, lembro que certa vez fui em um show da banda e uma grande revista tinha falado que aquela velocidade só era possível em uma bateria eletrônica, Max, durante o show, comentou a tal noticia e mostrou que bateria eletrônica de cu é rola em um solo destruidor. E como quem sabe faz ao vivo, como diria Faustão, Max merece essa colocação;

16º lugar: Tommy Lee (Motley CrueMethods of Mayhem/ Tommy LeeRock Star Supernova)

Mais conhecido por sua vida pessoal um tanto quanto doida, Tommy Lee é responsável por criar um lance mais teatral pros bateristas ao vivo, entre outras coisas uma armação mecânica levantando a bateria enquanto ele sola;

15º lugar: Mike Portnoy (Dream Theater/ Liquid Tension Experiment/ Transatlantic/ Neal Morse/ OSI/ John Arch/ Avenged Sevenfold/ Adrenaline Mob/ Flying Colors/ Winery Dogs)

Dado como um dos melhores bateristas na ativa, Mike Portnoy tem uma técnica inigualável, capas de passear por diversos gêneros, mostrando sempre ser detentor de técnica e feeling em todas. Portnoy é dono de vários prêmios por conta de sua carreira junto ao Dream Theater e todas tantas e tantas outras bandas que participou. Ouvir alguma musica onde o cara tenha tocado na composição da bateria prestando bem atenção ao que ele faz, pode te fazer reouvir várias vezes a mesma musica sempre encontrando algo novo a cada audição. Portnoy é um grande baterista e quem ainda duvidar disso, basta ver o cara tocando Slayer numa bateria infantil da Hello Kitty;

14º lugar: Philthy Animal Taylor/ Phil Taylor (Motorhead)

Toda a fase de ouro do Motorhead contou com Taylor na bateria, o clássico dos clássicos do rock, Ace Of Spades, é com Taylor na bateria, destruindo a bateria! Isso já é suficiente para entrada do mítico batera do Motorhead nessa lista mas podemos falar que o cara mudou o estilo de tocar da época, muita gente já tocava algum tipo de som pesado quando o Motorhead surgiu na década de 70 mas igual Phil Taylor tocava não, a bateria dele era mais rápida e visceral, sem frescura, direta e matadora, tudo que o Motorhead era, o Phil transpassava na sua maneira de tocar e nos shows ao vivo mostrava em suas atitudes;

13º lugar: Phil Rudd (AC/DC)

De um Phil a outro, este Phil foi o baterista com o qual o AC/DC alcançou sucesso. Com Phill a banda lançou seus primeiros trabalhos ainda na fase com Bon Scott e seus últimos trabalhos também. Phil criou aquele estilo de bateria que o AC/Dc sempre usa, meio bluesado, marcando o ritmo e sem muita frescuragem. Certa vez li uma entrevista do Lars Ulrich do Metallica e pediram para ele votar nos melhores bateristas do rock/ metal e entre os escolhidos estava Phil, pois ele falou algo como "para fazer um som simples e manter um ritmo do jeito que ele faz, não é fácil" e realmente não é, ainda mais quando você esta criando algo em total contramão do que esta sendo feito na época;

12º lugar: Dave GrohlDain Bramage/ Scream/ Nirvana/ Foo Fighters/ Tenacious D/ Queens Of The Stone Age/ Probot/ Them Crooked Vultures)

Dave Grohl despensa apresentações, o cara já tinha uma carreira quando entrou no Nirvana e com a ajuda do trabalho dele o Nirvana se tornou o gigantesco nome que conhecemos. Mas Dave Grohl não fica parado e com o fim do Nirvana criou o Foo Fighters onde por anos tocava todos os instrumentos em estúdio e nos shows guitarra e vocal. Seu amor por bateria e musica o levou a tocar em outras bandas, muitas delas apenas como participação na gravação de álbuns como no caso do Queens Of The Stone Age, onde um dos melhores álbuns não só da banda mas como do rock em geral foi gravado (Songs for the Deaf). Grohl já provou por a + b ser merecedor de uma colocação em qualquer lista de bateristas com suas composições e sua atuação na bateria, tanto ao vivo quanto no estúdio. Algo que posso citar aqui como prova que mostra a qualidade do cara quanto baterista é o projeto Probot, onde chamou diversos nomes do metal e tocou bateria para compor musica com estilo de cada um deles, o cara é muito versátil man ;

11º lugar: Igor Cavalera (Sepultura/ Strife/ Nailbomb/ Cavalera Conspiracy)

Igor Cavalera começou a tocar ainda sem bateria, a primeira vez que ele tocou em uma bateria de verdade com uma emprestada e mesmo assim se tornou referencia em todo o mundo. Igor era o integrante mais jovem do Sepultura e por conta disso é fácil acompanhar a evolução do cara nos álbuns da banda e com o tempo uma técnica só dele surgindo. O jeito do Igor tocar é forte, porradas fortes e rápidas, lembrando de certa forma um toque tribal e isso é o que mais marca sua carreira. Esse novo estilo tribal que influenciou um tanto de bateristas, um grande exemplo disso é Joey Jordison que já apareceu nessa mesma lista.

10º lugar: Dave Lombardo (Slayer/ Grip Inc./ Fantômas/ Testament/ Philm/ Suicidal Tendencies)

Lombardo já chegou a ser apelidado de o Padrinho do Pedal Duplo por uma revista de metal e não é para menos, o cara tem uma técnica brutal nesse quesito e em outros também. Ver Lombardo tocando ao vivo é surreal, ele toca forte e rápido e com total certeza do que esta fazendo. O baterista é mais conhecido pelo seu trabalho no Slayer, porém não tocou todos, na verdade foi apenas uma porcentagem desses tantos álbuns da banda mas esses são os álbuns mais marcantes dos caras, tanto que na época que retornou para banda esse retorno foi o grande triunfo do Slayer, ninguém falava de nada além de "Você viu? O Lombardo voltou pro Slayer, o bicho vai pegar". Ultimamente o baterista faz parte do Suicidal Tencencies e lançou um excelente álbum na banda, World Gone Mad, o que prova que além de tudo é flexível e pode passear em diversas vertentes do rock sem perder em qualidade;

9º lugar: Eduardo/ D. D. Crazy (Sarcofago/ Sextrash)

Imagine a década de 80 e o que você encontrava de metal nessa época. Já tinha coisas muito pesada como Slayer e afins mas nada com a bateria blast beat ou a metralhadora. Esse toque tão rápido quanto uma metranca que Max Colesne (que citamos nessa lista) do Krisiun toca tão bem é atribuído a dois bateristas do mundo todo e um deles é o nosso D. D. Crazy. O Sarcofago é uma das bandas mais importantes do mundo quando o assunto é metal extremo, desde seu álbum de estreia, Inri, a banda revolucionou com a sua imagem, musica e extremismos e D. D. Crazy é um dos maiores responsáveis desse pioneirismo com seu estilo matador de tocar;

8º lugar: Pete Sandoval (Morbid Angel/ Terrorizer)

Se lembra que falei que além do D. D. Crazy do Sarcofago um outro cara era responsável pelo blast beat? Pois bem, esse cara é o Pete Comando Sandoval! O cara é uma referencia dentro do metal extremo e merece ser. Sandoval começou sua carreira em uma banda de grindcore, o Terrorizer, e por conta disso ele não tocava com dois bumbos, o que foi ter que aprender junto ao Morbid Angel. Por conta disso, Sandoval treinou a exaustão com eles e quando falo a exaustão, é a exaustão mesmo, o cara tocava sem parar até desmaiar de exaustão. Sempre muito aplicado, ele toca rápido de fato e isso desde o primeiro álbum do Morbid Angel, o Altars Of Madness. Sandoval é reconhecido por seu trabalho e por conta disso quando se fala em Morbid Angel, uma das coisas mais lembradas é a bateria da banda que além de arregaçar no death metal ainda serviu de referencia pro doom metal onde já visitou em alguns sons;

7º lugar: Tommy Ramone (Ramones)

Tommy era na verdade o primeiro produtor a trabalhar com os Ramones, o baterista na época era o Joey, Tommy viu que Joey funcionaria melhor no vocal e procurou por outro bateristas, coisa que não encontrou, fazendo com que ele mesmo assumi-se as baquetas. Tommy assumiu um estilo que definiu depois muitas bandas punks. Ele meio que se inspirou no estilo do Ringo Starr tocar nos Beatles. A simplicidade e a velocidade tomavam conta e o mais importante, de certa forma, um certo desleixo que nos trazia a atitude punk. Tommy foi o ultimo dos Ramones a morrer mas o seu 1234 para sempre será lembrado;

6º lugar: Ginger Baker (Cream)

Certa vez Eric Clapton disse que tem problemas de audição por conta dos shows no Cream e parte dessa culpa é de Ginger Baker. Baker brigava com o baixista, Jack Bruce, e por conta disso cada um tentava tocar mais alto que o outro e Clapton ficava ali no meio tentando tocar. Tá, isso não é o porque dele estar nessa lista mas é informação bem interessante. Baker foi um dos responsáveis pela popularidade do bumbo duplo, isso na década de 70. O kit dele era grandioso e ele foi um dos primeiros bateristas a fazer apresentações mais agressivas, no estilo Keith Moon. Os shows do Cream eram repletos de jams e nessas jams Baker mostrava do que era capas com diversos solos e viradas viscerais e bem inteligente e grande maioria disso foi na base do improviso, o que torna tudo ainda mais impressionante;

5º lugar: John Bonham (Led Zeppelin)

Pode se dizer que Bonham representa todos bateristas do hard rock. Ele tocava de uma maneira mais pesada com levadas e solos que preenchiam a musica por completo. Podemos até arriscar aqui que isso influenciou também bateristas de heavy metal. Boham não era tão respeitado pela critica como Ginger Baker porém até hoje é lembrado por algum baterista como influencia direta e não é pra menos, o cara foi responsável por tantos clássicos que até assusta;

4º lugar: Ringo Starr (Beatles/ Ringo Starr)

Antes de tudo devemos citar uma coisa, os Beatles lançaram tudo antes de tudo existir, de rock progressivo a heavy metal, você vai encontrar nas musicas dos caras e muito antes disso tudo existir. Ringo não é um baterista cheio de técnicas e firulas mas ele sabe tocar, é seguro no que faz e acima de tudo, não erra. Ringo ao vivo é sempre esplendido, tudo no ritmo perfeito, em um kit sem frescuras. O que o cara foi capas de criar esta acima de qualquer suspeita, ritmos que influenciaram uma caralhada de bandas, levadas tão inspiradas e criativas que arrepiam, basta prestar atenção na simplicidade de Come Together. O cara popularizou o estilo de tocar com as duas mão segurando as baquetas da mesma forma, o que marca todo o rock desde então, o modo que era tocado antes de Ringo era com uma das mãos segurando a baqueta como palitos de comida chinesa, meio deitado, como os bateristas do blues faziam. Por tudo que o cara foi capas de tocar junto aos Beatles de sua grande carreira solo, Ringo merece muito reconhecimento;

3º lugar: Bill Ward (Black Sabbath)

Podemos dizer que Ward foi o primeiro baterista de metal. Sim quando ele surgiu já existiam outros mais ou menos assim mas todos tinham uma pegada de blues ou apenas hard rock, já Ward podia fazia um som totalmente voltado ao que viria a ser metal, se isso não o torna importante, nem sei o que posso citar;

2º lugar: Keith Moon (Who)

Moon The Loon ou Moon O Lunático, numa tradução literal, foi o baterista mais excentrico da história, o cara ficou muito famoso por muitas loucuras que praticou, entre elas o pioneirismo em quebrar quartos de hotel. Mas não é por isso que o cara aparece aqui, ele foi um genial baterista, velo solar em shows é algo hipnótico. Técnica ligada a selvageria de uma maneira impar. O cara tinha uma maneira espetacular de tocar e desenvolveu uma técnica onde omitia batidas e trazia um som cheio de suspense mas sem deixar a pancadaria de lado. Keith Moon é um desses caras insubstituíveis no rock e mesmo tendo se passado mais de 30 anos após sua morte, esta para nascer alguém tão sagaz na bateria;

1º lugar: Neil Peart (Rush)

O que acontece quando você é muito bom em alguma coisa? Respondo para você: você vira referencia. Neil Pearl é uma referencia quando se fala em bateristas, o cara é veloz, é técnico, tem um kit de bateria que impressiona e acima de tudo, se esforça para sempre ter muito a oferecer. Começou a tocar inspirado nos já citados John Bonham e Keith Moon mas logo criou seu estilo, fez seu nome e muitas vezes conseguiu abafar os nomes dos seus colegas de banda que são músicos extremamente competentes. Todo mundo que fala que foi em um show do Rush, já cita o solo de bateria de Peart, é serio, pessoas de tudo que é gosto musical que você possa conhecer, cita isso em primeiro lugar e não é pra menos, o cara toca muito. E sabe porque mais ele merece reconhecimento? Por algo que já falei e vou repetir, o cara é esforçado, tão esforçado que já chegou a ter que ser internado por exaustão de quanto estava tocando, não é todo dia que vemos uma pessoa que é muito boa no que faz não se acomodar e quando isso acontece, encontramos alguém como Peart, um monstro acima de qualquer outro.

Menções Honrosas:
Roger Taylor (Queen): O cara tem técnica e muita criatividade, atuou com uma caralhada de bandas após o fim do Queen e é responsável por vários dos grandes sucessos da banda.
Lars Ulrich (Metallica): Já vi muito molequinho cheio de espinha na cara falando mal do cara mas poucos bateristas podem superar suas composições, principalmente em seus álbuns iniciais, onde não existia tecnologia alguma de gravação, tudo era analógico e o cara gravou aquelas porradas todas por si. Lars deixou o bumbo duplo de lado mas mesmo assim nas apresentações ao vivo da banda não deixa a desejar, apesar dos pesares.
Stewart Copeland (Police): O cara é um excelente baterista, cheio de técnica e criatividade, de tão bom e cheio de vontade de colocar tudo que sabe nas musicas do Police que teve problemas com o vocalista Sting que queria algo mais clean.
Doktor Avalanche (Sisters Of Mercy): Na verdade Doktor Avalanche é uma bateria eletronica, a primeira a aparecer em uma banda e ganhar nome, como nós não queremos problemas com as máquinas e nem com a Skynet, fica aqui nossa homenagem.

Enfim, essa foi nossa lista de baterista, em breve terminaremos o resto da banda já que tivemos um tempo muito grande entre essa lista de bateristas e a de baixistas que inaugurou o 23+. Se curtiu a lista ou não, se acha que alguém merecia entrar, deixe seu feedback nos comentários mas com respeito pois isso nos deu um tremendo trabalho. E é isso ai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário